Home / Notícias / Taxistas pressionam por julgamento de regulamentação do Uber em Salvador

Taxistas pressionam por julgamento de regulamentação do Uber em Salvador

Dezenas de taxistas foram ao Aeroporto para protestar contra demora de decisão judicial

Taxistas contestam legalidade do Uber e pedem agilidade em processo (Foto: Hilza Cordeiro/CORREIO)

Cerca de 80 taxistas se reuniram no Aeroporto de Salvador, na tarde desta sexta-feira (2), para pedir celeridade no julgamento de uma ação para definir a legalidade do Uber na cidade. Por enquanto, os motoristas do aplicativo estão podendo rodar na capital graças a uma decisão liminar (provisória). “Nossas dificuldades têm mais de um ano, mas foi agravada no Carnaval quando o Ministério Público concedeu uma liminar liberando o aplicativo“, diz o presidente da Associação Geral de Taxistas (AGT), Dênis Paim.

Em carreata, os taxistas saíram da Alameda das Praias, em Stella Maris, rumo ao terminal, onde deram duas voltas e fizeram um buzinaço para chamar a atenção para o problema. “Nós estamos trabalhando muito mais horas para conseguir ganhar 50% do que tirávamos. Os taxistas estão sem conseguir pagar o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), os financiamentos, as contas em casa. Estamos com desgate físico e mental”, reclama o taxista Valdeck Pereira Gomes, 57.

Ainda de acordo com os profissionais, o problema se agravou com a crise econômica brasileira. Sem poder manter as contas em dia, muitos permissionários de táxi dispensaram motoristas auxiliares. “Então, é mais gente desempregada. Antes, a média de ganho semanal de um auxiliar era R$650, mas não se consegue mais pagar isso”, relata Valdeck.

“A gente não quer o fim da Uber, a Uber não vai parar. Só queremos que julguem a situação e digam como nós ficaremos. Têm que ser criadas condições possíveis para o nosso trabalho, numa concorrência justa”, defende outro taxista manifestante. De acordo com o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), o caso está nas mãos do desembargador José Olegário Caldas, que pediu vistas do processo – o que significa que a ação continua em pauta, mas ainda não será julgada. Ainda não há uma previsão de quando o processo voltará a julgamento.

Categoria em dificuldades

Taxista há 20 anos, Jefferson Gomes Paim relata dificuldades da categoria e pretende mudar de ramo
(Foto: Hilza Cordeiro/CORREIO)

O taxista Jefferson Gomes Paim, 57 anos, diz que sua vida ‘desabou’ com a chegada do aplicativo Uber. “Eu tenho que partir para outro negócio. Ainda não sei o que fazer, mas não suporto mais, ninguém suporta. Meu carro tem seis anos e eu não tenho condições de comprar outro. A escola dos filhos, a energia, a conta de água não esperam. As dívidas se acumulam. Nossos colegas estão mesmo perdendo a saúde”, desabafou ele que recentemente colocou seu veículo e alvará à venda.

Taxista há 20 anos, Jefferson fazia cerca de 12 corridas trabalhando no ponto do Hotel Golden Tulip, no Rio Vermelho. “Hoje, de 30 corridas que saem de lá, apenas uma é no táxi. Tá todo mundo pedindo com celular na mão, enquanto nós pagamos R$ 150 ao hotel só para poder ficar no ponto”, conta.

No aeroporto, muitos dos taxistas presentes não sabiam da manifestação, mas apoiaram o ato. “Somos uma classe desunida. Boa parte do pessoal daqui não ficou sabendo desse protesto, mas a gente apoia a pressão. Sou taxista há mais de 20 anos, estou com dois meses de INSS atrasado e mais quatro de financiamento do carro sem conseguir pagar”, conta Paulo Cézar Cerqueira, que roda no terminal. A movimentação causou congestionamento na entrada do aeroporto. O Batalhão Turístico da Polícia Militar acompanhou o protesto de perto.

Manifestações

No dia 24 de maio, a AGT reuniu cerca de 300 taxistas no Centro Administrativo da Bahia (CAB), que seguiram em direção ao Tribunal de Justiça (TJ-BA), protestando pelo mesmo motivo. Durante a manifestação, os taxistas fizeram um homenagem ao ex-taxista Carlos Alberto Pinho, que se suicidou na tarde desta terça-feira (23). Todos os veículos estão com a inscrição de ‘luto’.

Na ocasião, o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, disse que a prefeitura vai continuar considerando o serviço do Uber como clandestino até que o projeto que regulamenta o transporte remunerado individual por meio de aplicativos seja votado no Senado. A matéria determina as regras para essa atividade em todo o país e foi aprovado pela Câmara dos Deputados em abril deste ano.

Fonte: CORREIOS BAHIA

Sobre Carlos Laia

Comandada por Carlos Laia , A Voz Do Taxista tem por objetivo levar a categoria dos taxistas informação, levantar o debate dos assuntos importantes para o desenvolvimento profissional de toda categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *