Home / A Voz do Taxista / Taxistas: Diagnóstico de uma categoria sem rumo parte I

Taxistas: Diagnóstico de uma categoria sem rumo parte I

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">
="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">
No início serviço top

Eu cheguei à conclusão de que a Uber não é um mal para nós taxistas, foi graças a Uber que percebemos as mazelas do serviço de táxi, entendemos a importância de participar e discutir os assuntos que envolve nossa profissão.

Infelizmente isso não foi percebido pela maioria da categoria e principalmente pelas entidades que tem o dever de promover as mudanças necessárias nesse momento de transição para dar o segundo passo rumo a retomada do nosso prestigio.

Estamos em uma encruzilhada, temos que escolher entre o amadorismo e o profissionalismo. O primeiro passo é combater os maus profissionais que ainda há entre nós e que muitos não percebem o grande mal que causam ao conjunto da classe.

A falta da “ameaça” que a concorrência proporciona nos trouxeram vícios que estão entranhados em nossa categoria.

Precisamos de mediadas sem as quais a categoria não atingirá o ponto chave para colocar fim a crise que enfrentamos. De um lado temos a concorrência desleal e predatória, do outro lado temos décadas de acomodação por não nos sentirmos ameaçados.

Perdemos a grande oportunidade nas eleições municipais, não foi lançado nenhum candidato ao legislativo municipal com o apoio das entidades para levantar essas bandeiras. A modernização da legislação do táxi e a reciclagem do taxista não são discutidas pelos nossos representantes, até o momento não apresentaram nada de concreto nesse sentido.

As vaidades que predominam entre os taxistas cria divisões na classe e dificulta a tomada de iniciativas, precisamos quebrar a cláusula pétrea de que não se pode questionar os sindicatos e seus dirigentes, parecendo que esses são insubstituíveis.

taxi
Os diversos grupos demostra o fracionamento dacategoria

A falta de uma liderança genuína nascida do nosso meio parece cada vez mais distante.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Uma cena do quarto filme “Piratas do Caribe” ilustra muito bem a situação que se encontra os taxistas, a pitoresca cena mostra a necessidade dos piratas de eleger um rei para enfrentar uma situação de perigo eminente, porém nunca chegavam a uma solução pois cada um votava em si próprio, assim nunca alguém tinha mais de um voto.

Audiencia publica na Câmara Municipal de São Paulo Foto: André Bueno CMSP

Não temos nenhum movimento de taxistas organizado, os taxistas que se destacaram até o momento se deslumbraram com a minguada notoriedade conseguida sem nenhuma conquista.

A falta de visão política dos pseudos  líderes – falo de estadistas – não permitem que enxerguem a necessidade de tomarem a frente e aglutinar em torno deles – de suas ideias – uma reação que os conduziriam naturalmente a liderança legítima nessa hora de grande apreensão. Não fizeram isso e mataram qualquer intenção de outros fazerem quando se unirão a velha mentalidade e a velhos políticos que tem como filosofia para se manterem em seus cargos a política do pão e circo.

Enquanto isso, muitos taxistas consideram o fato de terem algumas dezenas de taxistas que usam o Whatsapp para jogarem frases feitas ao vento é a conquista da sonhada união da categoria. A verdade é que não temos nenhuma ação concreta e efetiva que vislumbre a solução da nossa situação.

A verdade é que não temos líderes, consequência não somos uma classe organizada.

Os taxistas são uma massa que a décadas é manipulada por ser uma massa e não uma classe de trabalhadores organizada e cumpridora dos seus deveres para exigirem seus direitos.

Março logo estará ai, e mais uma vez vamos ouvir as lamentações e acusações.

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

2 Comentários

  1. Olá Boa noite Carlo afilosofia do nosso trabalho e ter um líder comprometido com a classe más quando você coloca uma ideia para avançar não tem apoio você banca tudo e faz com esses Apps se quiser trabalhar tem pagar aos aplicativos,isso é uma vergonha para classe nós temos saída mais não qurem eu particularmente leio as tuas idéias e concordo nos precisamos urgentemente fazer um congresso antes, do mês de Março trazer os políticos quê nós apoiam e pegar jurídico que realmente entendam das lei do taxi.

    • Para chegar a esse líder precisamos que um colegiado de taxistas que assuma a posição de exclarecer a categoria do seu paepel. Somente com a participação de um número bem siguinificativo coseguiremos mudanças.

DEIXE SUA OPINIÃO!