Home / UBER-Transporte Clandestino / Uber usou ferramenta secreta para enganar autoridades em todo o mundo

Uber usou ferramenta secreta para enganar autoridades em todo o mundo

(FILES): This file photo taken on March 10, 2016 shows a man checking a vehicle at the first of Uber's 'Work On Demand' recruitment events where they hope to sign 12,000 new driver-partners, in South Los Angeles Uber and Lyft are eviscerating the taxi industry in Los Angeles three years after they began operating in the city, officials say. Thanks to the ridesharing services, which enable independent drivers to offer rides via a smartphone application, "taxicab service demand indicators have dropped (total trips and dispatch trips) beginning in the second half of 2013 and increasing through 2015," according to a report by Department of Transportation seen by AFP on April 14, 2016. / AFP PHOTO / Mark Ralston
Carro do Uber em Los Angeles, nos EUA
A Uber está engajada há anos em um programa mundial para enganar as autoridades em mercados nos quais seu serviço de transporte vinha encontrando resistência da parte das agências regulatórias ou, em alguns casos, havia sido proibido.O programa, que envolve uma ferramenta chamada Greyball, usa dados recolhidos pelo app da Uber e outras técnicas a fim de identificar as autoridades e escapar às suas ações. A Uber usou esse recurso para escapar das autoridades em cidades como Paris, Boston, Las Vegas, além de países como Austrália, China, Coreia do Sul e Itália.O sistema Greyball era parte de um programa mais amplo chamado VTOS, a abreviação em inglês para “violação dos termos de serviço”, que o Uber criou para identificar pessoas que estivessem usando seu serviço ou o investigando indevidamente. Eles foram adotados no início de 2014 e continuam em uso, principalmente fora dos Estados Unidos. O Greyball foi aprovado pela equipe jurídica da Uber.

O Greyball e o programa VTOS foram descritos ao “New York Times” por quatro atuais e antigos funcionários da Uber, que também forneceram documentação sobre ele. Eles falaram sob a condição de anonimato, porque as ferramentas e seu uso são confidenciais, e devido ao medo de retaliação por parte da companhia.

O uso do Greyball pela Uber foi registrado em vídeo no fim de 2014, quando Erich England, inspetor municipal em Portland, Oregon, tentou chamar um carro no centro da cidade como parte de uma operação para apanhar a empresa em flagrante violação das regras da prefeitura.

Na época, a empresa havia começado a operar seu serviço de carros em Portland sem buscar permissão da prefeitura, que mais tarde definiu as atividades da empresa como ilegais.

Para montar um caso contra a Uber, funcionários como England começaram a usar os serviços da empresa, se fazendo passar por passageiros e recorrendo ao app para chamar um carro, cuja aproximação eles podiam acompanhar pelos pequenos ícones representando carros da Uber na tela do app.

 

Mas, sem que England e outros funcionários municipais soubessem, alguns dos carros que eles estavam vendo como ícones na tela do app na verdade não existiam. Os motoristas que eles conseguiam chamar logo recebiam instruções para cancelar as corridas. Isso acontecia porque a Uber havia identificado England e seus colegas como funcionários da prefeitura, com base em dados recolhidos pelo app e com outras técnicas. A empresa então fornecia a eles uma versão falsa do app, povoada por carros fantasmas, para evitar que eles a fiscalizassem.

Andrew Caballero-Reynolds/AFP
(FILES) This file photo taken on March 25, 2015 shows an UBER application viewed as cars drive by in Washington, DC. Uber has agreed to pay up to $100 million to settle two class action suits filed by drivers who said they were employees entitled to benefits, rather than independent contractors. The suits challenged a pillar of the business model of the pioneer of the so-called gig economy -- relying on workers with no set schedule and only a loose affiliation with the San Francisco-based company offering ridesharing services.Uber said in a statement April 21, 2016 it had agreed on a settlement with the plaintiffs. / AFP PHOTO / Andrew Caballero-Reynolds ORG XMIT: ACR01
Carro do Uber e celular em Washington

DIFICULDADES E CONCORRÊNCIA

Em um momento no qual a Uber já está sob escrutínio por conta de sua cultura empresarial, muito mais agressiva que as normas usuais do mercado de trabalho, o uso do sistema Greyball revela até que ponto a empresa se dispõe a ir para conquistar mais negócios.

Há muito ela ignora leis e regulamentos para ter vantagem contra os provedores estabelecidos de serviços de transporte, um “modus operandi” que ajudou a empresa a se estabelecer em mais de 70 países e lhe valeu avaliação de US$ 70 bilhões.

Mas usar o app a fim de identificar e evitar a ação das autoridades em lugares nas quais as agências regulatórias afirmavam que a empresa estava violando a lei é um desvio ético —e possivelmente jurídico— mais grave. Dentro do Uber, algumas das pessoas informadas sobre o programa VTOS e a forma de uso do sistema Greyball estavam preocupadas.

A Uber afirmou em comunicado que “esse programa nega atendimento a usuários que estejam violando os nossos termos de serviço —quer se trate de pessoas que podem ferir os motoristas, de concorrentes que desejem perturbar nossas operações ou de oponentes em conluio com as autoridades para operações cujo objetivo é apanhar motoristas em flagrante cometendo violações”.

Dylan Rivera, porta-voz do Serviço de Transporte de Portland, afirmou em comunicado que “estamos muito preocupados com a informação de que essa prática persistiu pelo menos até 2015 e afetou também outras cidades.”

“Encaramos qualquer esforço para solapar nosso trabalho de proteção ao público com a maior seriedade”, disse Rivera.

Gene J. Puskar/Associated Press

Carro autônomo do Uber dirige pela River Road, em Pittsburgh

LUTA COM AUTORIDADES

A Uber opera múltiplos tipos de serviços, entre os quais o UberBlack, de veículos de luxo guiados por motoristas profissionais. Mas um negócio com o qual as autoridades regulatórias de muitos mercados vêm tendo problemas é o serviço de transporte pessoal de baixo preço conhecido como UberX.

Ele essencialmente permite que pessoas aprovadas em uma verificação sumária de antecedentes e inspeção veicular se tornem motoristas rapidamente. Muitas cidades proibiram esse serviço e o definiram como ilegal.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Isso acontece porque chamar um carro dirigido por um motorista não comercial —a classificação que os motoristas do UberX que usam seus carros particulares para o trabalho costumam receber— em geral não se enquadra a qualquer regulamentação. Quando a companhia ingressou agressivamente em novos mercados, tirou vantagem dessa falta de regulamentação para obter rapidamente a inscrição de diversos condutores, desprovidos de licenças profissionais e os colocou rapidamente para trabalhar antes que as autoridades regulatórias locais tivessem tempo de proibir a prática.

Depois que as autoridades descobriram o que vinha acontecendo, elas em geral entraram em choque com a empresa. A Uber enfrentou dificuldades judiciais com o UberX em cidades como Austin (Texas), Filadélfia e Tampa (Flórida), e também em cidades fora dos Estados Unidos. Usualmente, as partes chegam a um acordo depois de algum tempo, e as autoridades desenvolvem uma estrutura regulatória local para o serviço de baixo custo.

É uma abordagem que se provou dispendiosa. Algumas cidades confiscaram carros e multaram motoristas, mas a empresa geralmente cobre o custo que essas medidas causam para os motoristas. A Uber estima em milhares de dólares o prejuízo sofrido quando um veículo é apreendido e subjeito a multas.

É para isso que o programa VTOS e o Greyball foram desenvolvidos. Quando a Uber chegava a uma nova cidade, indicava um executivo para comandar a operação. Esse executivo buscava identificar as autoridades fiscalizadoras, usando um conjunto de tecnologias e técnicas.

Um método envolvia traçar um perímetro digital, ou “geofence”, em torno dos escritórios das agências regulatórias, em um mapa digital da cidade que a Uber monitorava. A empresa observava a identidade de pessoas que abriam e fechavam o app com frequência —um processo conhecido internamente como “eyeballing”— na área delimitada, o que indicava possível associação com as agências municipais.

Outras técnicas incluíam estudar os dados de cartão de crédito do usuário, e buscar vínculos entre o cartão e instituições como uma financeira ligada à polícia.

Os fiscais municipais envolvidos em grandes operações para flagrar motoristas ocasionalmente compravam dezenas de celulares descartáveis para criar contas diferentes. A fim de contornar essa tática, os empregados da Uber frequentavam as lojas de eletrônicos da cidade para verificar os modelos mais baratos de celulares à venda, que costumam ser os comprados pelos fiscais, em geral desprovidos de orçamentos generosos, e a empresa ficava alerta para o uso dos aparelhos em questão.

No total, existia pelo menos uma dúzia de indicadores no programa VTOS que a empresa podia usar para avaliar se os usuários em questão eram novos inscritos ou provavelmente fiscais municipais.

Caso essas pistas não bastassem para confirmar a identidade de um usuário, a busca era feita em perfis de mídia social e em outras fontes de dados on-line. Quando um usuário era identificado como membro de uma agência fiscalizadora ou policial, a empresa o incluía no sistema Greyball, classificando o usuário sob um código que principiava pela palavra Greyball, seguida por uma série de números.

Quando um usuário assim identificado chamava um carro, a Uber gerava uma série de sinais fantasmas de carros em uma versão falsa do app que só existia no celular da pessoa em questão, ou mostrava que não havia carros disponíveis. Se um motorista mesmo assim apanhasse um fiscal por engano, recebia ocasionalmente uma ligação que o instruía a interromper a corrida.

AP Photo/Paul White

Manifestantes chutam carro durante protesto contra o Uber em Madri, Espanha, no ano passado

POR SEGURANÇA

Os funcionários da Uber dizem que as práticas e ferramentas nasceram em parte como medidas de segurança para os motoristas da empresa em determinados países. Na França, no Quênia e na Índia, por exemplo, frotas de táxis e taxistas realizaram ataques contra novos motoristas do Uber.

“Eles bateram nos carros com bastões metálicos”, revelou em uma mensagem no Twitter a cantora Courtney Love, de dentro de um carro da empresa, em um período de choques entre a Uber e os taxistas de Paris, em 2015. Love disse que manifestantes apanharam seu motorista em uma emboscada e o tomaram como refém. “Isso é a França? Fico mais segura em Bagdá.”

A Uber também afirmou que está em risco por causa de táticas empregadas pelas empresas de táxis e limusines em determinados mercados. Em Tampa, por exemplo, ela fala em conluio entre as autoridades locais dos transportes e as frotas de táxis, para combater os serviços online de carros.

Nesses ambientes, o uso do Greyball começou como forma de ocultar a localização de motoristas do UberX, a fim de impedir os concorrentes de encontrá-los. A empresa afirma que esse continua a ser o uso primário da ferramenta hoje.

Mas com seu ingresso em novos mercados, os engenheiros da Uber perceberam que as mesmas técnicas e ferramentas podiam ser usadas para escapar a fiscalização pelas autoridades. Assim que o Greyball foi colocado em uso e testado, foi criado um manual com uma lista de táticas e distribuído aos executivos da empresa em mais de uma dúzia de países, em cinco continentes.

Pelo menos 50 ou 60 pessoas dentro da Uber estavam informadas sobre o Greyball, e algumas contestavam a legalidade e ética do uso da ferramenta. O sistema foi aprovado pela equipe de advogados da companhia, comandada por Salle Yoo, a vice-presidente jurídica da empresa.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Ryan Graves, um dos primeiros empregados, que mais tarde se tornou vice-presidente sênior de operações mundiais e membro do conselho da Uber, também estava informado sobre o programa.
Yoo e Graves não responderam a pedidos de comentário.

Pesquisadores externos dizem não estar certos de que o programa é legal. O Greyball pode ser considerado violação da Lei de Fraude e Abusos na Computação dos Estados Unidos, ou como obstrução deliberada da justiça, a depender das leis e jurisdições locais, disse Peter Henning, professor de Direito na Universidade Estadual de Wayne e colaborador do “New York Times”.

“No caso de qualquer atividade sistemática de evasão da lei, você está flertando com o desastre”, disse Henning. “Todo mundo desacelera o carro ao ver um carro de polícia em um cruzamento, e não há coisa alguma de errado nisso. Mas o que eles fizeram vai além de evitar uma multa por excesso de velocidade.”

O sistema Greyball vem se provando eficiente, até agora. Em Portland, naquele dia do final de 2014, England, o fiscal municipal, não conseguiu pegar o motorista do Uber em flagrante, de acordo com reportagens locais.

E duas semanas depois que a empresa começou a enviar motoristas para atender a pedidos de carros na cidade, seus dirigentes chegaram a acordo com as autoridades locais para que o UberX pudesse funcionar legalmente.
Tradução de PAULO MIGLIACCI

Fonte: Folha de São Paulo

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">
="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

DEIXE SUA OPINIÃO!